Documentário Robert Nesta Marley

Do diretor MacDonald

 

novo dcumentario Marley - MacDonaldSelecionado para mostra Berlinale Special, o documentário "Marley" sobre o cantor, compositor e pacifista jamaicano estava entre os principais destaques e mais aguardados filmes da seleção oficial do Festival de Berlim. Dirigido por Kevin MacDonald ("O Último Rei da Escócia"), o filme mostra a história de Robert Nesta Marley (1945 – 1981) desde a infância na cidade de Nine Mile, em Saint Ann Parish, na Jamaica, até a agonia em função do câncer de pele e a morte.

Com duas horas e vinte minutos de duração, "Marley" teve o apoio da família. Traz depoimentos da mulher Rita, das várias namoradas, de familiares, amigos e músicos que o acompanharam durante a carreira, como Jimmy Cliff. E mostra o alcance do reggae no mundo inteiro em função das realizações de Bob Marley como cantor, compositor e uma espécie de filósofo do Rasta. Só não explora assuntos delicados e questionáveis, como por exemplo a transformação dele em um ícone comercialmente lucrativo - o que é um fato.

MacDonald substituiu Jonathan Demme, originalmente escalado para dirigir o filme. O cineasta, que começou o projeto do zero, disse que um dos principais obstáculos foi a dificuldade para reunir material sobre a fase de crescimento dele. "Ele cresceu em um país de Terceiro Mundo", disse MacDonald, na entrevista coletiva desta tarde de domingo (12). "Não há registros de filmagens dele até os 11 anos de idade apenas algumas fotos dele criança."

Outro obstáculo, um pouco mais difícil de contornar, foi conseguir entrevistas com alguns dos amigos e companheiros de Marley. "Os músicos jamaicanos são muito desconfiados, ou por pensarem que estão sendo explorados ou por terem sido enganados", explicou o Macdonald. "Muitas dos amigos dele que estão no filme nunca deram entrevistas antes por essas razões."

O ponto de partida para conceber "Marley" está no fato de que ele era mestiço - o pai era um soldado britânico branco - e sofria preconceito por isso na cidade onde nasceu e cresceu. "Eu encontrei um de seus primos brancos e uma de suas meias-irmãs brancas", disse o diretor. "O centro está nestas entrevistas e nas coisas que eles disseram."


Vida

Bob Marley OM (nascido Robert Nesta Marley, Nine Mile, 6 de fevereiro de 1945Miami, 11 de maio de 1981), foi um cantor, guitarrista ecompositor jamaicano, o mais conhecido músico de reggae de todos os tempos, famoso por popularizar o gênero. Grande parte do seu trabalho lidava com os problemas dos pobres e oprimidos. Ele foi chamado de "Charles Wesley dos rastafáris" pela maneira com que divulgava a religião através de suas músicas.

Bob foi casado com Rita Marley, uma das ''I Threes'', que passaram a cantar com os Wailers depois que eles alcançaram sucesso internacional. Ela foi mãe de quatro de seus doze filhos (dois deles adotados), os renomados Ziggy e Stephen Marley, que continuam o legado musical de seu pai na bandaMelody Makers. Outros de seus filhos, Kymani Marley, Julian Marley e Damian Marley (vulgo Jr. Gong) também seguiram carreira musical.

Foi eleito pela revista Rolling Stone o 11º maior artista da música de todos os tempos

Juventude

Bob Marley nasceu em 6 de fevereiro de 1945 em Saint Ann, no interior da Jamaica, filho de Norval Sinclair Marley, um militar branco, capitão doexército inglês e Cedella Booker, uma adolescente negra vinda do norte do país. Cedella e Norval estavam de casamento marcado para 9 de julho de1944. No dia seguinte ao seu casamento, Norval abandonou-a, porém continuou dando apoio financeiro para sua mulher e filho. Raramente os via, pois estava constantemente viajando. Após a morte de Norval em 1955, Marley e sua mãe se mudaram para Trenchtown, uma favela de Kingston, onde o garoto era provocado pelos negros locais por ser mulato e ter baixa estatura (1,63 m). Bob teve uma juventude muito difícil, e isso o ajudou a ter personalidade e um ponto de vista bastante crítico sobre os problemas sociais.

Princípio

Marley começou suas experimentações musicais com o ska e passou aos poucos para o reggae enquanto o estilo se desenvolvia. Marley é talvez mais conhecido pelo seu trabalho com o grupo de reggae The Wailers, que incluía outros dois célebres músicos, Bunny Wailer e Peter Tosh. Livingstone e Tosh posteriormente deixariam o grupo para iniciarem uma bem-sucedida carreira solo.

A maioria do trabalho inicial de Marley foi produzida por Coxsone Dodd no Studio One. O relacionamento dos dois se deterioraria mais tarde devido a pressões financeiras, e no começo da década de 1970 ele produziu o que é considerado por muitos o seu melhor trabalho, então pelas mãos de Lee "Scratch" Perry. A dupla também se separaria, desta vez por problemas com direitos autorais. Eles trabalhariam juntos novamente em Londres, e permaneceriam amigos até a morte de Marley.

O trabalho de Bob Marley foi amplamente responsável pela aceitação cultural da música reggae fora da Jamaica. Ele assinou com o selo Island Records, de Chris Blackwell, em 1971, na época uma gravadora bem influente e inovadora. Foi ali, com No Woman, No Cry em 1975, que ele ganhou fama mundial.
Tiroteio e violência eleitoral


Bob Marley & The Wailers ao Vivo noCrystal Palace Park durante a Uprising Tour


Em 1976, dois dias antes de um show gratuito organizado por Bob Marley e o então primeiro-ministro jamaicano Michael Manley durante as eleições gerais, Marley, sua esposa Rita e o empresário Don Taylor foram baleados na residência do astro em Hope Road. Marley sofreu ferimentos leves no braço e notórax. Don Taylor levou a maior parte dos tiros em sua perna e torso ao andar acidentalmente na frente da linha de fogo. Ele foi internado em estado grave mas recuperou-se. Rita Marley também foi internada após um grave ferimento na cabeça. Acredita-se que o tiroteio teve motivações políticas (os políticos jamaicanos eram em geral violentos na época, especialmente quando as eleições se aproximavam). O concerto foi visto como um gesto de apoio ao primeiro-ministro, e supostamente Marley foi alvo dos defensores do partido conservador da Jamaica, o Jamaican Labour Party. Embora a polícia nunca tenha pego os atiradores, pessoas desconhecidas "acertaram as contas" mais tarde com eles nas ruas de Kingston. Além disso, o Candidato Michael Manley foi eleito.


Final de carreira

Bob Marley deixou a Jamaica no final de 1976 e foi para a Inglaterra, onde gravou os álbuns Exodus e Kaya e onde também foi preso pela posse de um cigarro de maconha. Ele lançou a música Africa Unite no álbum Survival em 1979, e então foi convidado a tocar nas comemorações pela independência do Zimbabwe em 17 de abril de 1980.

Convicções políticas e religiosas

Bob Marley era adepto da religião rastafári. Ele foi influenciado por sua esposa Rita, e passou a receber os ensinamentos de Mortimer Planno. Ele servia de fato como um missionário rasta (suas ações e músicas demonstram que isso talvez fosse intencional), fazendo com que a religião fosse conhecida internacionalmente. Em suas canções Marley pregava irmandade e paz para toda a humanidade. Antes de morrer ele foi inclusive batizado na Igreja Ortodoxa da Etiópia com o nome Berhane Selassie.


Não viva para que a sua presença seja notada, mas para que a sua falta seja sentida.
— Bob Marley

Marley era um grande defensor da maconha, usada por ele no sentido da comunhão, apesar de que seu uso não é consenso entre os rastafáris. Na capa de Catch a Fire inclusive ele é visto fumando um cigarro de maconha, e o uso espiritual da cannabis é mencionado em muitas de suas músicas.

Marley também tinha conexões com a seita rastafári "Doze Tribos de Israel", e expressou isso com uma frase bíblica sobre José, filho de Jacó, na capa do álbum Rastaman Vibration.


A batalha contra o câncer
Diagnóstico

Em julho de 1977 Marley descobriu uma ferida no dedão de seu pé direito, que ele pensou ter sofrido durante uma partida de futebol. A ferida não cicatrizou, e sua unha posteriormente caiu; foi então que o diagnóstico correto foi feito. Marley na verdade sofria de uma espécie de câncer de pele, chamado melanoma maligno, que se desenvolveu sob sua unha. Os médicos o aconselharam a ter o dedo amputado, mas Marley recusou-se devido aos princípios rastafaris que diziam que os médicos são homens que enganam os ingênuos, fingindo ter o poder de curar. Ele também estava preocupado com o impacto da operação em sua dança; a amputação afetaria profundamente sua carreira no momento em que se encontrava no auge (na verdade, a preocupação de Bob Marley era quanto à amputação de qualquer parte de seu corpo, seja o dedo do pé ou suas rastas. Para os seguidores dessa religião/filosofia, não se deve cortar, aparar ou amputar qualquer parte do corpo). Marley então passou por uma cirurgia para tentar extirpar as células cancerígenas. sua doença foi revelada para seu público.
Conversão

Segundo seu filho Ziggy Marley, Marley se converteu ao cristianismo antes de morrer, em 1977. O motivo seria o de que, segundo a religião rasta, o corpo é um templo sagrado e por isso retirar o câncer seria errado. Marley teria descoberto muitas coisas semelhantes entre o rastafarianismo e o cristianismo e decidido que seu corpo deveria ser cuidado. O próprio Ziggy ainda tenta espalhar o legado de seu pai, com ideais e raízes do rastafarianismo e do reggae, mas com um entendimento cristão.[2][3][4]
Colapso e tratamento

O câncer espalhou-se para seu cérebro, pulmão e estômago. Durante uma turnê no verão de 1980, numa tentativa de se consolidar no mercado norte-americano, Marley desmaiou enquanto corria noCentral Park de Nova Iorque. Isso aconteceu depois de uma série de shows na Inglaterra e no Madison Square Garden, mas a doença o impediu de continuar com a grande turnê agendada. Marley procurou ajuda, e decidiu ir para Munique para tratar-se com o controverso especialista Josef Issels por vários meses, não obtendo resultados.


Morte

Um mês antes de sua morte, Bob Marley foi premiado com a Ordem ao Mérito Jamaicana. Ele queria passar seus últimos dias em sua terra natal, mas a doença se agravou durante o vôo de volta daAlemanha e Marley teve de ser internado em Miami. Ele faleceu no hospital Cedars of Lebanon no dia 11 de maio de 1981 em Miami, Flórida, aos 36 anos. Seu funeral na Jamaica foi uma cerimônia digna de chefes de estado, com elementos combinados da Igreja Ortodoxa da Etiópia e do Rastafarianismo. Ele foi sepultado em uma capela em Nine Mile, perto de sua cidade natal, junto com suaguitarra favorita, uma Fender Stratocaster vermelha.


Reputação póstuma

A música e a lenda de Bob Marley ganharam mais e mais força desde sua morte, e continuam a render grandes lucros para seus herdeiros. Também deu a ele um status mítico, similar ao de Elvis Presley e John Lennon. Marley é enormemente popular e bastante conhecido ao redor do mundo, particularmente na África e na América Latina. É considerado por muitos como o primeiro popstar doTerceiro Mundo. Após a sua morte, a data de seu aniversário, o dia 6 de fevereiro, foi decretado feriado nacional na Jamaica.
Controvérsia sobre o local do túmulo

Em janeiro de 2005 foi divulgado que Rita Marley estava planejando exumar os restos de Bob Marley e enterrá-los em Shashamane, Etiópia. Ao anunciar sua decisão, Rita afirmou que "toda a vida de Bob foi centrada na África, não na Jamaica". Os jamaicanos foram amplamente contra a proposta, e a comemoração do aniversário de Bob em 6 de fevereiro de 2005 foi celebrada em Shashamane pela primeira vez, pois, antes todas as outras haviam sido realizadas na Jamaica.


Prêmios e honrarias

Estrela de Marley na Calçada da Fama, em Hollywood.


1976 - Banda do Ano (Rolling Stone)
Junho de 1978 - Premiado com a "Medalha de Paz do Terceiro Mundo" pelas Nações Unidas
Fevereiro de 1981 - Premiado com a mais alta condecoração jamaicana, a "Ordem ao Mérito"
1999 - Álbum do Século (Revista Time) por Exodus
Fevereiro de 2001 - Uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood
Fevereiro de 2001 - Premiado com um Grammy pelo "Conjunto da Obra"
2004: Rolling Stone Magazine classificou-o # 11 em sua lista dos "100 Maiores Artistas de Todos os Tempos"[5]
"One Love" chamada canção do milênio pela BBC
Votado como um dos maiores letristas de todos os tempos por uma sondagem da BBC



Discografia

Álbuns de estúdio

The Wailing WailersThe Wailers
1965
Studio One

Soul RebelsThe Wailers
Dezembro de 1970
Upsetter/Trojan

Soul RevolutionThe Wailers
1971
Upsetter/Trojan

Soul Revolution Part IIThe Wailers
1971
Upsetter/Trojan

Best of The WailersThe Wailers
Agosto de 1971
Beverley's

Catch a FireThe Wailers
13 de abril de 1973
Island/Tuff Gong

Burnin'The Wailers
19 de outubro de 1973
Island/Tuff Gong

Natty Dread

Bob Marley & The Wailers25 de outubro de 1974
Island/Tuff Gong

Rastaman VibrationBob Marley & The Wailers
30 de abril de 1976
Island/Tuff Gong

ExodusBob Marley & The Wailers
3 de junho de 1977
Island/Tuff Gong

KayaBob Marley & The Wailers
23 de março de 1978
Island/Tuff Gong

SurvivalBob Marley & The Wailers
2 de outubro de 1979
Island/Tuff Gong

UprisingBob Marley & The Wailers
10 de junho de 1980
Island/Tuff Gong

ConfrontationBob Marley & The Wailers
23 de maio de 1983 (póstumo)
Island/Tuff Gong


Álbuns ao vivo


Live! 5 de dezembro de 1975
Island/Tuff Gong

Babylon by Bus10 de novembro de 1978
Island/Tuff Gong

Talkin' Blues (gravado em 1973)
4 de fevereiro de 1991
Island/Tuff Gong

Live at the Roxy (gravado em 1976)
24 de junho de 2003
Island/Tuff Gong


Videografia

Rebel Music: The Bob Marley Story - documentário dirigido por Jeremy Marr, lançado em 2001 pela Universal Music[6].
One Love: The Bob Marley All-Star Tribute - tributo de diversos artistas exibido originalmente pela TNT[7] e lançado em 1999 pela Palm Pictures[8].
Legend - documentário e compilação de 23 canções com a banda The Wailers, lançada em 1979 pela Universal Music[9].
Bob Marley Live At The Rainbow - show realizado no Teatro Rainbow em Londres no verão de 1977 e lançado em 2005 pela Universal Music[10].



Referências

Wyclef Jean. 100 Greatest Artists: Bob Marley (em inglês). Página visitada em 3 de setembro de 2011.
The Ethiopian Orthodox Church & Bob Marley's Baptism And The Church. Jamaicans.com.
Bob Marley's Baptism in Ethiopian Orthodox Church. Rastafarispeaks.com.
Bob Marley knew Jesus. kernowyouth.co.uk.
The Immortals: The First Fifty. Rolling Stone Issue 946. Rolling Stone.
http://www.bamstores.com/product/index.jsp?productId=3017188&cp=3010445.3010531&clickid=leftnav_txt&parentPage=family
One Love - DVD Verdict. (visitado em 14-9-09).
http://www.bamstores.com/product/index.jsp?productId=3017187&clickid=leftnav_txt&cp=3010445.3010531
http://www.bamstores.com/product/index.jsp?productId=3017163&clickid=leftnav_txt&cp=3010445.3010531
http://www.bamstores.com/product/index.jsp?productId=3017164&clickid=leftnav_txt&cp=3010445.3010531


Bibliografia

Marley, Rita e Jones, Rettie. No Woman No Cry: Minha Vida com Bob Marley
White, Timothy. Catch a Fire: The Life of Bob Marley. Owl Books (NY), 1998.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Flor à Iemanjá